Capa > Destaque > Aterro Sanitário foi tema do Terça no Crea

Aterro Sanitário foi tema do Terça no Crea

O Terça no Crea desta semana (11.02) trouxe o tema “A Importância dos Aterros Sanitários para o Meio Ambiente”, apresentado pelo engenheiro civil e ex-coordenador adjunto do Crea Jr-PE, Breno Lobo  e pela engenheira ambiental Thaís Patu, no auditório do Conselho.

Breno Lobo falou sobre a diferença entre destinação e disposição de Resíduos,  explicando que o primeiro modo, trata de processos de reaproveitamento, reciclagem e compostagem. A disposição de resíduos se refere  a rejeitos, aterros sanitários, incineração e biodigestor. O palestrante citou as Leis PMNA 1981, CONAMA 237/1997, CONAMA 308/2002 – revogada – 30t/dia, CONAMA 4040/2008 – 20t/dia e PNSB 11.445/2007 – que trata de água potável, esgoto sanitário e resíduos sólido. Ele ainda mencionou que para cada R$1,00 não investido em saneamento são necessários R$4,00 para investimento na saúde pública.

 Com base em estudos do Tribunal de Contas do Estado (TCE,) mostrou os resultados dos relatórios de 2017, 2018 e 2019, quanto aos municípios com destinação correta dos resíduos e quantidade de aterros sanitários. Lembrou que o Governo do Estado de Pernambuco faz repasse de percentual do ICMS para os municípios pagarem a disposição correta desse material. Ainda na sua apresentação exemplificou a disparidade entre espaços conhecidos como lixão e aterro sanitário, sendo este último projetado a partir de conhecimentos técnicos das engenharias civil, ambiental e química, principalmente.

Foi apresentado o modelo utilizado no município de Iati, considerado um dos mais importantes do interior do Estado, cujo projeto de engenharia contém drenos horizontais, verticais e pluviais, mantas de PEAD e não tem risco de incêndio e nem de chorume infiltrar no solo, assim como, não tem presença de catadores e nem animais. Neste momento foi demonstrada a seleção de implantação através de métodos de aterros: rampa (topografia acidentada e lençol freático alto), área (topografia plana e lençol freático baixo) e trincheira (topografia plana e lençol freático) etc. O palestrante também explicou o que é o Plano de Recuperação de Área Degradada (PRAD) e falou de usos futuros, não podendo o espaço ser utilizado para moradia e sim, para parques, como empregado nos E.U.A.

Dando segmento, a engenheira ambiental Thaís Patu, falou sobre dados das regiões brasileiras e a situação de Pernambuco, apresentando o demonstrativo das cidades que possuem aterros sanitários funcionando. A engenheira abordou os consórcios públicos e disse que no nosso Estado existem 13 unidades, destacando-se a Mata Sul.

O evento encerrou com a participação do público por meio de perguntas pertinentes e importantes sobre os tipos de lixos, como o hospitalar, o incentivo aos fabricantes de materiais sustentáveis e reeducação da população sobre consumo consciente e descartes adequados.

O engenheiro Breno Lobo é empresário no ramo de Projetos, Construção, Gerenciamento e Operação de Aterros Sanitários, sócio da Mega Mak Gestão Ambiental. A engenheira Thaís Patu é secretária Executiva da Associação dos Engenheiros Ambientais e Sanitaristas do Estado de Pernambuco (AEAMBS-PE) e Gerente Técnica do Núcleo de Resíduos Sólidos e Proteção Ambiental do Portal Sul Consórcio.

Free WordPress Themes - Download High-quality Templates