Associação dos Engenheiros de Pesca de Pernambuco concluirá o Planejamento Estratégico da Gestão até abril de 2016

A Associação dos Engenheiros de Pesca de Pernambuco (AEP-PE) estará concluindo o planejamento estratégico da gestão, em abril de 2016. Este planejamento, iniciado em janeiro de 2016, que apresenta a análise de conjuntura deverá ter continuidade em reuniões.

Observa-se que a Engenharia de Pesca, busca continuamente a consolidação de políticas pesqueiras e aquícolas em Pernambuco. Os profissionais estão organizados na Associação dos Engenheiros de Pesca (AEP-PE), e com representações de conselheiros (as) e diretor no Conselho Regional de Engenharia e Agronomia de Pernambuco (CREA –PE), na diretoria da Caixa de Assistência dos Profissionais do CREA (Mútua- PE) e com representações no Sindicato dos Engenheiros de Pernambuco(SENGE), além de representações na academia.

A maioria dos profissionais da Engenharia de Pesca são oriundos da Universidade Federal Rural de Pernambuco em Dois Irmãos e da Unidade Acadêmica de Serra Talhada, com participação adicional de profissionais provenientes da Universidade Estadual da Bahia (UNEB), aumentando este contingente de profissionais no mercado de trabalho no Estado, que migram para Pernambuco contribuindo com o desenvolvimento sustentável da pesca e aquicultura nos municípios localizados as margens do rio São Francisco. Deste modo, a distribuição dos profissionais da Engenharia de Pesca abrange todo território do Estado de Pernambuco. Prevendo até 2018, que cerca de duzentos novos profissionais estejam ingressando no mercado de trabalho em Pernambuco.

Também se verifica que cerca de cento e trinta profissionais da Engenharia de Pesca atuam no serviço publico, e estão distribuídos nos governos estadual, federal e municipal. Além disso, nestes últimos anos, houve um crescimento da participação dos profissionais da Engenharia de Pesca na atividade no setor privado, no terceiro setor, em consultoria técnica, na atividade de estudos nos cursos de pós- graduações e como produtores de pescado e de seus subprodutos. Devendo este crescimento, se acentuar na iniciativa privada como micros empreendedores, de pessoa física e jurídica.

Destacamos que a AEP-PE estimulará os profissionais com apresentação de palestras ao tema de credito para o setor pesqueiro e aquícola, para que os profissionais da Engenharia de Pesca se atualizem das alternativas de obtenção do credito financeiro, para pessoa física e jurídica, visando principalmente, atender as demandas dos recentes profissionais que ingressam no sistema CONFEA–CREA, para se tornarem produtores de pescado e de seus subprodutos pesqueiros e aquícolas.

A partir de 2017, espera-se um crescimento mais acentuado no setor publico municipal, devido ao fato, da renovação da gestão do poder publico, fortalecida pela atuação da AEP-PE em:

    1. Mobilização suprapartidária;
    2. Apoio à atuação da fiscalização do CREA-PE;
    3. Monitoramento da qualidade dos serviços e produtos da Engenharia de Pesca;
    4. A divulgação do exercício profissional
    5. Tendência do crescimento da participação dos associados da AEP-PE na construção coletiva das políticas públicas do setor pesqueiro e aquícola;
    6. E também com articulação institucional da inclusão da Engenharia de Pesca em concursos públicos.

Enfim, na atuação em toda cadeia produtiva do pescado, descrita nas atribuições da Engenharia de Pesca, na resolução 279/83 do CONFEA.

Neste planejamento estratégico, estamos construindo a programação de eventos, previsto a partir do segundo semestres de 2016, com forte perspectiva de efetivação da parceria com o CREA-PE. Sendo que até abril será concluído o planejamento estratégico visando consolidar a parceria.

No planejamento estratégico, identificou-se a importância da atuação dos Engenheiros e Engenheiras de Pesca em polos de desenvolvimento sustentável, constituindo-se como imprescindível para o crescimento do setor pesqueiro e aquícola. Tendo como áreas de atuação a zona da mata e os municípios margeados pelo rio São Francisco e municípios beneficiados pela sua transposição, a tendência da expansão da aquicultura continental, familiar e de pequeno, médio e grande produtores, sobretudo, no cultivo de camarão de água doce e no cultivo de tilápia, em viveiros escavados e em tanque -rede. Ainda, na expansão do cultivo de camarão marinho em água salinizada no semiárido pernambucano, no desenvolvimento da algacultura e ostreicultura no litoral do Estado. Também no interior do Estado, em mananciais hídricos permanentes, com a expansão do cultivo de tilápia em tanque- rede. Neste mesmo contexto, aborda-se também a atuação de capacitação da pesca artesanal e aquicultura familiar, no exercício da extensão pesqueira e aquícola nas comunidades de aquicultores familiares e de comunidades pesqueiras em todo Estado. Além, da atuação em tecnologia de pescado, com aproveitamento de resíduos e agregação de valor ao pescado em varias regiões do Estado, com inovação tecnológica e empreendorismo em diversas regiões. E na geração de renda e atuação no mercado externo com a expansão da piscicultura ornamental nas diversas regiões do Estado de Pernambuco.

A participação da Engenharia de Pesca poderá exercida em conjunto às ações e articulações com a política estadual, federal e municipal. As participações do terceiro setor, atividade privada, colônias de pescadores, cooperativas, movimentos sociais, comunidades pesqueiras e aquícolas, comunidade técnica e cientifica, e atuações governamentais, poderão elevar a atual produção pesqueira, estimada em 27 mil toneladas /ano, para se tornar Pernambuco, em menos de uma década, um estado autossuficiente da sua produção pesqueira. Assim, será atendido o consumo de pescado per capta de 12 kg habitante /ano, conforme recomendação da Organização Mundial de Saúde – OMS. Isto propiciará a produção de 90 mil toneladas de pescado/ano em Pernambuco e permitirá a atuação do Estado de Pernambuco na geração de superávit econômico na balança de pagamento do pescado.

O desafio desta década, esta para que nas diversas atuações e situações os profissionais da Engenharia de Pesca, que atualmente lidera o papel no desenvolvimento sócio, econômico e ambiental na pesca e aquicultura, consolidem-se como protagonistas da produção pesqueira e aquícola no desenvolvimento sustentável do Estado de Pernambuco!

 

Texto escrito por:

José Rodolfo Rangel Moreira Cavalcanti

Presidente da AEP-PE