Crea-PE reafirma compromisso com a luta pelo Hub da Latam Recife

AST_7836Em apoio a implantação do Hub da Latam no Recife, o Jornal do Commercio publicou, na sexta-feira (02), artigo de opinião do conselheiro do Crea-PE, Maurício Pina, falando sobre os ganhos que o empreendimento poderá trazer para Pernambuco, caso o estado conquiste a disputa. Atento a tudo que envolve a Engenharia e Agronomia de Pernambuco, o Crea-PE debateu, no mês de agosto, no Fórum Crea-PE e o Hub da Latam no Recife, os benefícios que a chegada do hub deve trazer para o Estado. Na ocasião, o evento foi coordenado pelo presidente do Crea-PE, Evandro Alencar, e teve a coordenadoria executiva de Maurício Pina. Confira o artigo:

O hub da Latam no Recife

A palavra inglesa ‘hub’ significa, no jargão logístico, um ponto de concentração de cargas ou de passageiros. É também traduzida como sendo o cubo de uma roda. Assim, o ‘hub’ na aviação comercial funciona como um sistema ‘hub-and-spoke’, ou seja, ‘cubo e raios’, como em uma roda de bicicleta. Os raios significam as diversas rotas aéreas, todas convergindo para o cubo, que representa o aeroporto ‘hub’. A vinda do ‘hub’ da Latam reaquecerá o mercado da engenharia, trazendo ainda inúmeras ofertas de empregos para o setor de serviços, o turismo de lazer e de negócios de um modo geral, além de possibilitar a atração de outros grandes investimentos.

O aeroporto do Recife reúne todas as credenciais para funcionar com essa característica de ‘hub’ no Nordeste. As últimas pesquisas de satisfação de usuários realizadas pela Secretaria de Aviação Civil o apontam entre os dois melhores do Brasil e sempre o primeiro do Nordeste.

A empresa de consultoria britânica Skytrax indicou no seu relatório de 2015 o aeroporto do Recife entre os nove melhores da América do Sul. No ano de 2014, recebeu a expressiva demanda de 7,1 milhões de passageiros, muito abaixo da sua capacidade, que é de 16,5 milhões de passageiros por ano. Por um dever de justiça, registre-se que a excelência do aeroporto do Recife decorre de uma ação do governo Jarbas Vasconcelos, com a participação da Infraero e da Embratur.

Fui testemunha do zelo com o trato da coisa pública e ainda da obstinação e da competência do então secretário de Infraestrutura, Fernando Dueire, e da então secretária executiva Rosa Pandolfi, que não mediram esforços para que a obra fosse concluída de acordo com os padrões de qualidade desejados. Outro fator importante é a sua localização privilegiada, estando muito próximo do polo hoteleiro de Boa Viagem e de diversos polos expressivos instalados em Pernambuco.

Também é muito bem situado em termos de voos nacionais com interesse nas cidades nordestinas, ressaltando-se ainda que, em um raio de 800 km a partir do Recife, estão concentrados mais de 90% do PIB da região, e no interior de um círculo com raio de apenas 300 km, estão situadas três capitais nordestinas. Com relação a voos internacionais, o Recife está muito bem localizado com relação à Europa, aos Estados Unidos, à África e ao Panamá. Quanto à movimentação de cargas, o aeroporto do Recife é o quarto maior do País em movimentação de cargas aéreas e de correios.

Há ainda a se considerar a prová- vel liberação da área de propriedade da União, atualmente ocupada pela Aeronáutica, o que possibilitará a construção de uma segunda pista de pouso e decolagem. Não obstante a pista atual apresentar capacidade para suportar a demanda adicional de voos em decorrência do ‘hub’, inegavelmente a segunda pista será mais um forte argumento técnico em prol do Recife. Outro aspecto a ser levado em conta é a firme disposição do Governo do Estado e da Prefeitura do Recife visando agilizar os processos de desapropriação necessários à ampliação do aeroporto.

O aeroporto do Recife é o único do Brasil ligado diretamente a uma estação de metrô, o que lhe confere amplas condições favorecidas de inserção do passageiro no sistema de transporte da cidade. Não se pode também esquecer da proximidade do aeroporto do Recife com Suape, que já assumiu a liderança na movimentação de cargas em todo o Norte e Nordeste. Além disso, o porto de Suape registrou a segunda maior movimentação de granéis lí- quidos no Brasil, entre os quais encontra-se o querosene de aviação.

A expressiva tancagem de Suape e a paridade de importação fazem com que o preço do querosene de aviação ocupe um patamar muito satisfatório para o abastecimento das aeronaves no aeroporto do Recife. Portanto, as razões técnicas apontam as indiscutíveis vantagens do Recife para sediar o ‘hub’ da Latam no Nordeste. Sob a liderança do governador Paulo Câmara, as bancadas estadual e federal de Pernambuco estão unidas no apoio político à pretensão de sediar o ‘hub’ da Latam no Estado.

Seja bem-vinda, Latam!

Mauricio Renato Pina Moreira é professor da UFPE e UNICAP e conselheiro do CREA-PE