Crea-PE comanda Fiscalização Preventiva Integrada em parceria com outros órgãos

DSCF7977Enquanto o Estado se prepara para vivenciar uma de suas maiores festas populares, o Conselho Regional de Engenharia e Agronomia de Pernambuco (Crea-PE) reuniu, nesta quinta-feira (21), órgãos como: Corpo de Bombeiros, Celpe, Compesa, Detran-PE, Emlurb, Codecir, CTTU, Vigilância Sanitária, além de secretarias estaduais e municipais para definir as ações da a Fiscalização Preventiva Integrada (FPI) de Carnaval 2016. Tudo para proteger a sociedade e garantir o espaço dos profissionais registrados no Conselho.

As ações da FPI já iniciam nesta tarde, quando técnicos dos órgãos responsáveis vão fiscalizar as estruturas montadas para o tradicional Baile dos Artistas, no Clube Português. Na sexta-feira (23), os técnicos vão fiscalizar o Clube Internacional do Recife, que recebe no fim de semana a prévia Bal Masqué.  A agenda de ação já foi definida e se estende até o dia 6 de fevereiro, na fiscalização dos trios elétricos que irão desfilar no Galo da Madrugada.

O gerente de Fiscalização, Marcílio Leão, explicou que já está atuando desde o fim de 2015 nas vistorias e ações do Grupo de Trabalho Operação de Carnaval, liderado pela Secretaria de Defesa Social (SDS). “Realizamos a FPI desde 1989 e sempre conseguimos fazer um excelente trabalho na defesa da sociedade. A FPI é um pente fino. É muito difícil uma irregularidade passar por cerca de 20 órgãos e empresas”, destaca o gerente. Ele ainda explica que as ações da FPI são realizadas em conjunto. “É unir forças com todos os órgãos para garantir a segurança dos foliões”, finaliza.

Sobre as irregularidades que podem ser encontradas nos eventos, o gerente esclarece: “os promotores dos eventos terão um tempo para fazerem as adequações solicitadas pelos órgãos, mas que as visitar de retorno irão acontecer no tempo determinado”.  De acordo com Leão, os órgãos e empresas só vão fiscalizar o que está regulamentado por Lei. “Estamos fazendo um trabalho de orientação desde 2015. Todos já devem saber o que é necessário para o funcionamento dos blocos, troças, agremiações e trios”, afirma Leão.

Rui Gonçalves
ASC do Crea-PE