Home > Destaque > Presidente do Crea-PE assiste palestra magna sobre água na 72ª Soea em Fortaleza

Presidente do Crea-PE assiste palestra magna sobre água na 72ª Soea em Fortaleza

DSCF6612A temática “água” norteou os debates do primeiro dia de palestras da 72ª Semana Oficial da Engenharia e da Agronomia (Soea), que teve início nesta terça-feira (15), no Centro de Eventos de Fortaleza, e vai até o dia 18, com o tema “Sustentabilidade: água, energia e inovação tecnológica”. A palestra magna foi ministrada pelo secretário de Recursos Hídricos do Ceará e ex-ministro da Integração Nacional, Francisco José Coelho Teixeira, um dos principais responsáveis pelas obras e projeto da transposição do Rio São Francisco.

Na plateia, o presidente do Crea-PE, Evandro Alencar, juntamente com conselheiros e inspetores regionais, ouviu atento todos os pontos abordados sobre o assunto que o interessa, principalmente, por ser natural de Araripina, no Sertão pernambucano.

O primeiro ponto abordado pelo palestrante foi a realidade dos recursos hídricos no Brasil com foco na diversidade de um país continental, com mais de 8 milhões de quilômetros quadrados e diferentes regiões. Comparou a Amazônia, região com grande  índice de chuvas que detém mais de 60% da oferta hídrica brasileira, com outras regiões como o Nordeste, que tem apenas 3% da disponibilidade hídrica e as regiões Sudeste e Sul que, embora tenham bastante chuvas, já apresentam problemas recorrentes pelo excesso de consumo e desperdícios com abastecimento e distribuição.

DSCF6611“A segurança hídrica é um tema mundial que não é debatido devido à crise. Temos cerca de 14% da precipitação do mundo, porém concentrada na Amazônia”. Teixeira lembrou que este ano o Brasil sofrerá novamente com a incidência do fenômeno El Niño, um dos mais fortes já registrados, causando o aumento da temperatura do Pacífico e, como consequência, estiagens no Nordeste e enchentes no Sul.

O secretário ressaltou a necessidade de se desenvolver um plano nacional de segurança hídrica focado nas peculiaridades de cada estado e região. Uma das tendências, segundo ele, será o adensamento de reservatórios com adutoras interligadas que levam água a diversas cidades, sobretudo nos grandes centros urbanos.

Teixeira afirmou também que o Brasil ainda não tem a experiência do planejamento a longo prazo na área de recursos hídricos como tem o setor elétrico. “O planejamento ainda tem que ser implementado e aperfeiçoado em nível nacional. No PAC havia recursos para obras, mas não para um plano nacional. Precisamos fazer uma gestão eficiente baseada em ações planejadas, obras de infraestrutura e inovação tecnológica”.

Nordeste: estiagem, urbanização e mudança na dinâmica econômica

O palestrante detalhou a situação da região Nordeste diante da crise de água que assola o país, sobretudo no Ceará. Citou a diminuição no índice dos reservatórios que era de 60% em 2012, e caiu para cerca de 40% em 2013, 30% em 2014, 20% no início de 2015 e, atualmente 16%. Tal contexto é decorrente não só da estiagem como também do processo de urbanização, gerando aumento no consumo de água e a mudança na dinâmica econômica, sobretudo na agricultura e pecuária, antes extensiva, agora com pasto irrigado.

Como ações emergenciais para segurança hídrica na região e a convivência com a seca, destacou a necessidade da construção de adutoras de montagem rápida e poços, o uso de estações de tratamento móveis, a operação de carros pipas, campanhas de uso racional e alocação negociada de água em condições de escassez. Além disso, o racionamento e a suspensão de emissão de outorgas, o aumento da fiscalização e ação coerciva com aplicação de multas para consumo excessivo.

Entre as ações estruturantes, destacou o fortalecimento dos órgãos do Sistema Integrado de Gestão de Recursos Hídricos (Sigerh), o aperfeiçoamento dos instrumentos de outorga e cobrança pelo uso da água, o fortalecimento do poder de polícia e o aproveitamento da água subterrânea como reserva estratégica, além da busca por fontes alternativas como a dessalinização. A política de incentivo ao reuso e uso racional e a introdução de uma cultura de captação da água da chuva em áreas urbanas foram outros aspectos citados pelo secretário.

Desperdício e falta de tratamento do esgoto potencializam a crise

site_MagnaAgua-tela_16m_72soea_001O debate seguiu com a explanação de Francisco Lopes Viana, presidente do Instituto Centro de Ensino Tecnológico (Centec) e ex-presidente da Agência Nacional de Águas (ANA). Ele destacou três pontos específicos: o abastecimento do Estado de São Paulo, sobretudo o Sistema Cantareira – que há três anos operava com uma capacidade de 33 m³/s e hoje opera com 11 metros cúbicos por segundo -, os problemas específicos do Nordeste e a questão da hidroenergia. “A maioria das hidrelétricas opera sem reservatórios, gerando energia apenas com a vazão diária do rio que na maioria das vezes é baixa.”

O engenheiro químico Celso Giampá, administrador da Clínica de Engenharia, acrescentou dois aspectos ao debate: os problemas naturais que são previsíveis e passíveis de planejamento, e aqueles causados pelo homem que são imprevisíveis e necessitam da visão dos profissionais da área tecnológica e de ações governamentais. “A perda média no processo de captação e distribuição de água é de 40%, mas temos cidades que chegam até 65% de desperdício.”

Falou ainda da questão do esgoto, principal responsável pela contaminação dos mananciais, explicando que 80% da água do abastecimento vai direto para a rede de esgoto sem nenhum tipo de tratamento. “Água que poderia ser tratada e reutilizada, como na maioria dos países desenvolvidos. No Brasil não reutilizamos uma gota sequer e ainda estragamos a água potável com o esgoto. São fatores que poderiam minimizar a atual crise”, concluiu Giampá

Dilma Moura
ASC do Crea-PE
Com informações da Equipe de Comunicação do Confea/Crea-SC

Check Also

Presidente do Crea-PE faz mensagem especial na finalização do CP

Em Brasília, nesta quarta-feira, 02.12, durante reunião de finalização do CP- Colégio de Presidentes, Evandro …