Turma de 1966 da UFPE celebra Jubileu de Ouro

evandro-turmade1966Os 50 anos da turma de 1966 da Escola de Engenharia da Universidade Federal de Pernambuco (UFPE) foram comemorados, na manhã desta quinta-feira (17), no auditório da Companhia Hidrelétrica do São Francisco (Chesf), no Bongi. Na solenidade, marcada pela emoção e pelo sentimento de amizade que uniram os, então, estudantes em busca do tão sonhado grau em Engenharia, os professores foram homenageados e, juntos, celebraram as conquista das cinco décadas.

Como não poderia deixar de ser, a cerimônia foi prestigiada pelo presidente do Conselho Regional de Engenharia e Agronomia de Pernambuco (Crea-PE), Evandro Alencar, pelo diretor presidente da Chesf, José Carlos de Miranda, pelo diretor do Centro de Tecnologia e Geociência da UFPE, Afonso Henrique Sobreira, pelo presidente do Clube de Engenharia de Pernambuco (CEP), Alexandre Santos, pelo presidente do Memorial de Engenharia de Pernambuco, Maurício Pina, e pelos professores homenageados Antonio Carlos Aguiar, Antonio Feijó de Melo, Francisco das Chagas e Mário Antonino.

Primeiro a falar, José Carlos de Miranda falou da satisfação da Chesf de receber um evento deste porte. “É uma honra, privilégio e satisfação recebermos em nossa casa, a celebração de 50 anos de uma turma que trouxe tantas contribuições para esta casa. Tivemos nela dois presidentes de Chesfs, além de vários chesfianos, que contribuíram para o crescimento, desenvolvimento e fortalecimento desta Companhia”, destacou.

Em seguida, Lucila Lins, organizadora das comemorações, fez um breve relato em homenagem a turma. “Hoje é um dia muito feliz, cheio de emoções pelo nosso reencontro, pois a saudade cresce proporcionalmente ao nosso período de formatura e sairemos desta solenidade alegres e reconfortados”, afirmou Lucila.

todos_1966Em sua fala, ela ainda relembrou os momentos da colação de grau, realizada em 17 de dezembro de 1966, no Teatro de Santa Isabel. “Os corações batendo desordenamente enquanto recebíamos o diploma das mãos do nosso saudoso diretor da Escola de Engenharia, Ivan Loureiro, paraninfados pelo discreto e renomado professor Newton Maia. O reitor, em 1966, era Murilo Guimarães. Éramos 107 colegas concluindo o curso. Destes, faleceram 22”, explicou.

Já em sua fala, o professor Antonio Carlos Aguiar, da modalidade de Mecânica, destacou a emoção do momento. “Recebo, de certa maneira, essa homenagem de forma emocionada. A vida foi muito boa conosco. Enfrentamos vários espinhos, mas soubemos driblá-los. Mas o mais importante é destacar que a nossa escola era também de cidadania. Quem estudou naquele prédio, na Rua do Hospício, e nunca sentou naquelas escadas e discutiu política? Formamos engenheiros e cidadãos”, destacou o professor.

No seu pronunciamento, Antonio Feijó, da modalidade de Elétrica, falou da relação entre alunos e professores. “Essa homenagem me envaidece e me orgulha. A minha relação com esta turma era muito mais do que de aluno e professor. Por dois anos, fomos amigos de Escola”, relembrou, emocionado.  Em seguida, o professor Francisco das Chagas, da modalidade de Minas, ressaltou a cidadania da turma de 1966. “Antes de ser bons engenheiros, vocês são bons cidadãos. E isso faz toda  a diferença”, afirmou.

Já o professor Mário Antonino, homenageado da modalidade Civil, destacou o papel social do Engenheiro na transformação da sociedade. “Eu imagino que além de grandes obras, vocês construíram o sonho e a dignidade de muita gente. E acho que isso é o mais importante”, falou Antonino.

placa_turmade1966Dando continuidade a solenidade, o engenheiro Wilton Torres Jansen fez uma homenagem ao professor Solon de Medeiros. Logo após, o presidente do Clube de Engenharia, Alexandre Santos, destacou a importância do desenvolvimento da Engenharia nesses 50 anos. “Saúdo a todos os engenheiros desta turma, 50 anos não são 50 dias. E vocês protagonizaram o que existe de melhor na Engenharia nos últimos tempos. E engenharia é tornar o mundo melhor. Por isso, essa data é tão importante para a Engenharia”, destacou Santos. Maurício Pina, presidente do Memorial de Engenharia, falou da satisfação e alegria de comemorarmos esta data.

Em seguida, o presidente do Crea-PE, Evandro Alencar, destacou as grandes contribuições da turma de 1966 para a Engenharia, para o Estado e para o Brasil. “Falamos de profissionais que fizeram e que fazem a diferença na Engenharia do nosso Estado. São todos ícones e grandes amigos, que temos honra de prestigiar e celebrar a data”, ressaltou Evandro Alencar. Ainda segundo o presidente, “uma turma com tantos profissionais de referência para a Engenharia nacional é motivo de orgulho para o Conselho pernambucano”, finalizou Evandro.

Para terminar, o diretor do CTG, Afonso Henrique Sobreira, saudou a todos em nome do reitor da UFPE, Anísio Brasileiro, e agradeceu o empenho de todos os profissionais da turma de 1966 na melhoria e desenvolvimento do Estado. Por fim, foi feito o descerramento da placa com os nomes de todos os graduados na turma.

Rui Gonçalves
ASC do Crea-PE