Ibape-PE comemora 51 anos projetando crescimento de instituição

Instituto é um dos mais antigos do País e propõe sempre contribuir para desenvolver técnicas para a elaboração de trabalhos nos segmentos de avaliações e perícias

O Instituto Brasileiro de Avaliações e Perícias de Engenharia de Pernambuco (Ibape-PE), um dos mais antigos do País, comemora neste 12 de janeiro 51 anos de existência. O instituto carrega como propósito o debate de aspectos relevantes no âmbito da engenharia de avaliações e das perícias de engenharia. Para, com isso, propor soluções e regulações além de desenvolver técnicas para a elaboração de trabalhos nos segmentos de avaliações e perícias.

A exemplo da proposta da criação de uma Lei de Inspeção Predial municipal. O principal objetivo desta lei é salvar vidas, já que a falta de vistoria periódica de edificações causa trágicos acidentes evitáveis. A sugestão do projeto, entre outras ações, é que os próprios prédios façam a vistoria obrigatória, a cada cinco anos, e informem à prefeitura, que poderia fiscalizar por amostragem.

Para este ano de 2022, o novo presidente do Ibape para o triênio 2022-2025, Gustavo Farias, engenheiro civil, especialista em avaliações e perícias, prevê a continuidade dos desafios impostos por esta nova realidade criada com a pandemia. “Dentre as metas traçadas para este primeiro ano de gestão, temos a continuidade do processo de crescimento do instituto em Pernambuco, que se iniciou na última gestão 2019/2021, com o presidente Tácito Maia, na qual tive a honra de ser o diretor administrativo e financeiro”, destaca Farias.

Outro ponto é a reforma do estatuto social da entidade, que tornará o Ibape-PE mais moderno, inclusivo e atrativo para profissionais experientes, recém-formados e alunos dos cursos das engenharias e arquitetura. “Teremos como consequência dessa modernização do estatuto a ampliação e diversificação profissional do nosso quadro associativo. Neste ponto, vale destacar a necessária comprovação de capacidade técnica que permanece indispensável ao associado titular e a manutenção e criação de comissões temáticas e grupos de trabalhos, aderentes às nossas atividades”, assegura o presidente do Ibape-PE.

Na lista de Gustavo Farias, outra meta é a publicação da segunda edição da revista técnica, já que a primeira foi lançada com enorme sucesso e reconhecimento com matérias e artigos técnicos de qualidade, conforme sua avaliação. “E a meta que pontuo como talvez a mais desafiadora, consiste na criação de um Seminário Internacional de Avaliação e Perícias a ser realizado no quarto trimestre do ano. Seria um evento inovador no segmento e com proposta de ser bienal”, planeja Farias.

O Ibape é composto por profissionais das áreas de engenharia, agronomia e arquitetura, com registro nos seus respectivos conselhos de classe e com atividades voltadas em sua grande parte ao segmento técnico-científico. Por ser uma instituição nacional, tem representação na maior parte do território brasileiro e essa rede é composta pelos Ibapes estaduais.

O instituto dispõe de comissões e grupos de trabalho que desenvolvem estudos, realizam análises técnicas e trocas de experiências, sendo os resultados destes trabalhos divulgados em forma de publicações e normas. Inclusive muitas delas contribuindo efetivamente nas discussões das normas da Associação Brasileira de Normas Técnicas (ABNT).

Também tem por objetivo disseminar conhecimento com a promoção de eventos como cursos, palestras, seminários e congressos. Tem como ponto forte o foco na parte técnica, visto que possui um corpo técnico capacitado, já que colabora efetivamente para a criação das técnicas e normas em uso no Brasil.

PROFISSIONAIS
A engenheira civil, especialista em engenharia de avaliação e perícia, Adriana Palmerio, não classifica o seu primeiro contato com o Ibape como uma experiência positiva. Recém-chegada ao segmento de perícia, por uma sugestão da mãe para dar um novo rumo à profissão de engenheira civil, ela resolveu dar uma segunda chance ao instituto e entender seu funcionamento.

Para ela, foi a melhor decisão porque conseguiu perceber que o Ibape é uma entidade que pensa no coletivo da profissão. Um guarda-chuva que abriga os profissionais, reúne os associados em busca de melhorias para a categoria. “É um local que busca agregar para a engenharia, sem ideologias. Uma busca pautada no avanço para os profissionais”, pontua Palmerio, que parabeniza o Ibape pelos 51 anos de história da qual ela faz parte.

Quem também faz parte da história do instituto é a engenheira civil, especialista em engenharia de avaliação e perícia, Geise Pedrosa. A perícia e o Ibape entraram na vida dela pelas mãos do pai, que a incentivou a ingressar na área. “Fui incentivada, mas abracei a sugestão porque me identifiquei com a área”, atesta Geise Pedrosa.

Hoje ela faz parte da diretoria do Ibape e é só entusiasmo nas metas para melhoria e ampliação do instituto. A ideia é ampliar a base de associados e fortalecer os profissionais. Ela explica que a entidade funciona como um grande fórum de trocas de informações e experiências. “Quando alguém tem alguma dúvida, pergunta ao grupo e todos interagem buscando respostas e soluções”, comemora a engenheira.

Na avaliação do presidente do Crea-PE, Adriano Lucena, não é qualquer instituição que chega à metade de um século. “Que o Ibape consiga ficar sempre próximo do Crea porque é muito importante ter instituições como o Ibape, trazendo os profissionais das diversas modalidades, dos diversos temas e tão importante para a construção de um Estado que nós queremos, forte, com uma engenharia pujante. Também venho desejar a Gustavo Farias sucesso na sua gestão. Felicidades, Ibape. Aos seus ibapeanos e aos profissionais da engenharia”, saúda Lucena.