Solenidade de lançamento da 73ª Soea é prestigiada por presidentes de Creas, profissionais e lideranças políticas

IMG_0415 IMG_0442Numa solenidade prestigiada, o presidente do Crea-PE, Evandro Alencar IMG_0452participou, acompanhado do chefe de Gabinete, Joadson de Souza Santos, na noite da segunda-feira (11), do lançamento oficial da 73ª edição da Semana Oficial da Engenharia e da Agronomia (Soea), realizada pelo Conselho Regional de Engenharia e Agronomia do Paraná (Crea-PR), no Museu Oscar Niemayer, conhecido Museu do Olho da capital paranaense. A edição tem perspectiva de reunir, aproximadamente, 4 mil profissionais de todo o País, entre os dias 29 de agosto e 1º de setembro, na cidade de Foz do Iguaçu (PR). O tema desta edição é “A Engenharia a Favor do Brasil – Mudanças e Oportunidades”.

A solenidade contou com a participação do governador do Paraná, Beto Richa, os prefeitos de Curitiba, Gustavo Fruet, e de Foz do Iguaçu, Reni Pereira, presidentes dos 27 Creas do País, conselheiros estaduais e federais. A 73ª edição da Soea antecederá a 9ª edição do Congresso Nacional de Profissionais (CNP).

IMG_0450No discurso que fez, o governador Beto Richa destacou a importância da Semana Oficial, pela qualidade dos debates e propostas e como reflexo dos avanços tecnológicos e operacionais da Engenharia brasileira nas décadas mais recentes. Este ano, afirmou Richa, a Soea se reveste de importância ímpar. “Sua realização terá como pano de fundo a maior crise política e econômica que o País enfrenta nas últimas décadas, com profundas consequências para o setor da Engenharia. Alguns dos setores mais prejudicados, como a construção civil e a infraestrutura, são grandes geradores de postos de trabalho”.

A Engenharia, disse Richa, é provavelmente o segmento profissional e econômico mais ligado ao crescimento sustentável, àquele que mais depende de investimento. “Sua vocação inequívoca de gerar inovação, trabalho e riqueza associa a Engenharia aos círculos virtuosos de desenvolvimento de uma nação, ao crescimento sustentado pela poupança nacional e pelo investimento”.

Disse ainda que, há alguns anos, o País se ressentia da falta de engenheiros e que houve então uma corrida para novos cursos e novas escolas de Engenharia. Mas, em 2015, vinte mil engenheiros ficaram desempregados em todo o Brasil. “Esses números, divulgados pelo Ministério do Trabalho, compõem um retrato fiel da crise nacional. Porque, para cada engenheiro que perde seu emprego, sabemos que outros trabalhadores brasileiros também ficam sem trabalho, pois a Engenharia tem um efeito multiplicador nas várias cadeias produtivas da atividade econômica”, ressaltou o governador.

O governador lembrou também que em 2010, o Crea-PR contribuiu com propostas que foram incorporadas ao plano de governo. Mais recentemente, um documento da entidade enviado ao governo apontou direções possíveis para o futuro do Estado e buscou equacionar soluções para o seu desenvolvimento. O documento focou especialmente na ampliação e na modernização da infraestrutura de transporte, setor para o qual o Estado projeta um investimento estadual de R$ 1,6 bilhão para 2016.

“Recursos viabilizados por um esforço fiscal feito pelo Estado e, sobretudo, pelas empresas e trabalhadores paranaenses”, disse Richa. “É preciso reconhecer que o contribuinte teve que dar uma cota extra de sacrifício, mas isso não será em vão. O Estado tem uma previsão de investimento de cerca de R$ 8 bilhões para este ano, incluídos os aportes da Copel e da Sanepar. Estes recursos vão gerar 50 mil novos empregos na construção civil e em obras de infraestrutura social, urbana, transporte, logística e energia, de acordo com a projeção do Ipardes. Um imenso canteiro de obras que demandará grande oferta de trabalho para engenheiros e outros profissionais”, afirmou o governador.

Tadeu“A Engenharia está a favor de qualquer nação que se desenvolve, que progride e que garante qualidade de vida para sua população”. Fazendo alusão ao tema da 73ª Semana Oficial da Engenharia e da Agronomia – A Engenharia a favor do Brasil -, o presidente do Confea, engenheiro civil José Tadeu da Silva, iniciou seu discurso no lançamento da 73ª Soea. O presidente do Confea,  afirmou que a discussão será sobre a Engenharia brasileira, a Engenharia a Favor do Brasil.

“Vamos discutir a importância dos profissionais que estão no Sistema Confea/Crea, o nosso conhecimento da área tecnológica para a melhoria da qualidade de vida da população. Todo o resultado do nosso trabalho vai para a sociedade e para o desenvolvimento e progresso do Brasil. O País está hoje em uma situação muito difícil, e a solução para que ele melhore e garanta melhores condições para todos nós, brasileiros e brasileiras, é a aplicação do conhecimento dos profissionais da Engenharia e da Agronomia”, disse.

Durante a solenidade, o presidente do Confea ressaltou a importância de reunir profissionais em um ano de indefinições e crises. “A Soea é o momento para que apresentemos à nação uma solução de retomada do crescimento. Para o Brasil sair dessa situação, é imperioso que estejamos unidos – entidades de classe, instituições de ensino, profissionais e empresas”, disse, ao reforçar a conclamação a todos para participarem não só da Soea, mas também do CNP, do Contecc (Congresso Técnico e Científico) e, principalmente, dos eventos preparatórios regionais e Congressos Estaduais de Profissionais (etapas precedentes ao CNP).

José Tadeu também deixou clara a importância de haver profissionais da área tecnológica nas posições de tomada de decisão na gestão de um país. “Em todos os países que estão desenvolvidos, 70% do poder decisório está nas mãos dos profissionais da Engenharia”, afirmou. Tadeu da Silva defendeu que, não obstante a importância de todas as outras profissões, para ele, a garantia da produção passa pelo conhecimento da Engenharia, da Agronomia e das demais profissões da área tecnológica. “Nós transformamos recursos naturais em bens para as pessoas, sem causar danos ao meio ambiente”, completou.

O salto econômico do Paraná é resultado do trabalho do agronegócio – Joelcooperativismo e incentivo à agricultura familiar -, da geração de energia – Itaipu e Copel -, e pela produção de soja. Esses três fatores têm em comum a presença dos profissionais do Confea/Crea na força produtiva. Foi com essa ideia que o presidente do Crea-PR, Joel Krüeger, deu as boas-vindas aos participantes da solenidade de lançamento da 73ª Soea. Krueger iniciou seu discurso com uma curiosidade a respeito de sua cidade natal: Curitiba significa abundância de pinheiros (do tupi-guarani – curi = pinheiro e tuba = muito).

“Com mais de 500 anos de história, o Brasil ainda não atingiu o devido potencial de crescimento e desenvolvimento que se espera de uma nação tão rica em recursos naturais”. Para Krüeger, não há falta de profissionais qualificados no país, “mas a Engenharia precisa ser vista como prioridade”, e completou: “estudantes e profissionais têm sugestões significativas para nossos governantes. A Engenharia precisa resolver gargalos do nosso desenvolvimento, precisamos modernizar nossas indústrias, investir em portos, hidrovias, ferrovias… Na nossa capacidade”.

Prefeito de CuritibaA única capital que tem o Crea com voz e voto no conselho que define o plano diretor da cidade é Curitiba. A informação é do prefeito da capital paranaense, Gustavo Fruet. Segundo ele, o sistema de semáforo inteligente da cidade foi feito por uma equipe comandada pelo engenheiro Joel Krüeger, presidente do Crea-PR. “No atual momento de preocupação da sociedade com a gestão pública, a Soea é uma oportunidade de discutir mudanças e oportunidades, como definido no tema do evento”. Já o prefeito de Foz do Iguaçu, Reni Pereira, ilustrou o orgulho que tem da cidade e garantiu que ninguém vai desgostar das cataratas. Em tom mais sóbrio, opina que a crise vai continuar, mas será a Engenharia a responsável por retomar o crescimento do país.

ObliteraçãoEngrenagens que movem o selo da 73ª Soea
Também é praxe durante o lançamento da Semana fazer a obliteração do selo oficial do evento. A condução do rito de lançamento do selo foi conduzida pelo gerente de Engenharia dos Correios do Paraná, Rodrigo Borges (também responsável pela reforma do prédio histórico dos Correios de Curitiba – construído em 1934). Ao lado de Rodrigo, também obliteraram o selo os presidentes do Confea e do Crea-PR, o coordenador nacional das Câmaras Especializadas de Engenharia Florestal, Glauber Pinheiro, e o estudante de Engenharia de Produção – representante do Crea-Júnior – Maycon Juan de Sousa.

A partir de seu lançamento, o selo oficial da 73ª Soea passa a compor o acervo filatélico dos Correios e do Confea. Com o tema “A Engenharia a favor do Brasil – mudanças e oportunidades”, a arte do selo tem o intuito de mostrar a movimentação das engrenagens como um sistema integrado: estudantes, lideranças e entidades trabalhando juntas a favor do Brasil. A arte foi feita a partir de parceria entre especialistas do Confea das áreas de publicidade e de engenharia mecânica, para garantir que as engrenagens, além de produzirem o efeito visual de movimentação, representassem seu funcionamento de forma tecnicamente correta. Dentro das engrenagens, são ilustradas a hidrelétrica de Itaipu, a Universidade Federal do Paraná e a produção de soja.

 

Dilma Moura

ASC do Crea-PE de Curitiba (PR)

Com informação da ASC do Confea