O presidente do Crea-PE fala sobre os cuidados para se evitar acidentes como do Maranata

Recife, 16 de janeiro de 2013

Na última terça (15), a laje do mercadinho Maranata, localizado na rua Roraima, no bairro da Várzea – Recife, desabou e  deixou uma mulher ferida com escoriações leves. As evidências apontam que o desabamento se deu por causa da sobre carga que a laje era submetida, principalmente por ser utilizada como depósito do mercadinho.

O Conselho Regional de Engenharia e Agronomia de Pernambuco (Crea-PE) e a Coordenadoria de Defesa Civil do Recife (Codecir) foram ao local para realizar uma vistoria. Porém, como ainda havia risco de desabamento, a Codecir indicou a necessidade de um escoramento para a realização dos trabalhos.

O presidente do Crea-PE, José Mário Cavalcanti, deixou claro que “é necessário se ter um profissional habilitado para a construção de qualquer obra, pois ele tem o conhecimento técnico e a responsabilidade pela obra”. Apontou também que as soluções caseiras podem custar muito caro como o caso do mercadinho demonstra, pois pedreiros e mestres de obra não são reconhecidos no sistema para assumirem tamanha responsabilidade.

Segundo Marcos Menezes, advogado do estabelecimento, já foram tomadas providências para resolver os problemas gerados pelo desabamento e que uma empresa especializada já foi contratada para a realização do serviço.

Além do Crea-PE e a Codecir, a Diretoria de Controle Urbano (Dircon) esteve no local para indicar se seria possível a reforma ou a demolição do imóvel, caso se confirme, a Dircon é o órgão responsável pela notificação ao proprietário.

Antônio Alves

ASC do Crea-PE