Produzida coletivamente, Carta Crea Desenvolve de Serra Talhada apresenta propostas para desenvolvimento sustentável da região

Iniciativa do Conselho reuniu profissionais, gestores públicos, representantes da iniciativa privada e sociedade em geral para um debate sobre soluções para o desenvolvimento da região através das engenharias, agronomia e geociências

Nos dias 5 e 6 de novembro mais de 100 pessoas – dentre representantes da sociedade civil, poder público e profissionais das engenharias, agronomia e geociências – estiveram reunidas no auditório da Faculdade de Integração do Sertão (FIS) para participar da segunda edição do projeto Crea Desenvolve, onde foram debatidas propostas e soluções para o desenvolvimento sustentável de Serra Talhada e região. O encontro culminou com a leitura e aclamação da Carta de Serra Talhada, que reúne sugestões de ações e propostas.

O evento contou com a palestra do engenheiro de pesca Ivo Thadeu Lira Mendonça, extensionista do IPA, que apresentou sobre o “Ordenamento produtivo da atividade aquícola em Itaparica”. Dando prosseguimento ao encontro, foram formados grupos de trabalho para discussão dos temas. 

A inspetora coordenadora do Crea-PE em Serra Talhada, a engenheira civil Thaysa Mayara Nascimento Silva, avalia que o encontro foi bastante rico. “O evento foi muito bem aceito pela população. Hoje debatemos vários temas relevantes para a região. É um encontro que as pessoas querem que se repita, pois é muito importante. Os profissionais elogiaram bastante e querem uma nova edição todos os anos para que as ações não acabem por aqui e o Crea-PE se mantenha presente no interior de Pernambuco”.

Ao longo dos dois dias de programação, o Crea-PE estimulou a rica troca de ideias e a construção de um olhar da cidade e da região para si mesma. Todos os temas debatidos ressaltaram a preocupação do fortalecimento da economia atrelado ao respeito ao meio ambiente.

“A segunda edição do Crea Desenvolve não poderia ter encontrado lugar melhor para acontecer. Serra Talhada e sua abrangência conta com um crescimento oriundo da geração de emprego, do aeroporto, da transposição, da transnordestina. E uma região que cresce precisa de engenharia, agronomia e geociências. Queremos envolver os profissionais para este debate. Acreditamos que foi bastante exitoso. Reuniram-se aqui universidade, empresas públicas, profissionais. É isso que queremos. Um Crea para todos”, disse Adriano Lucena.

A Carta de Serra Talhada foi dividida em três eixos: Infraestrutura para o desenvolvimento da região; Sustentabilidade ambiental; e Desenvolvimento da produção agrícola, pecuária e florestal. Após sua aclamação, o documento agora segue com o desafio de se transformar em um guia para profissionais, empresas da iniciativa privada e poder público trabalharem em conjunto para colocar em prática as soluções apresentadas.

Nielsen Christianni, superintendente técnico do Crea, fez um balanço dos dois dias do evento. “O Crea Desenvolve em Serra Talhada nos deu a oportunidade de reunir instituições e profissionais da região que, com a riqueza do conhecimento local, puderam apontar alternativas para o desenvolvimento da região, que abordam questões como infraestrutura, saneamento básico, mobilidade e agropecuária. São temas importantes para a região e acredito que encontramos a possibilidade de potencializar as ações”, comentou.

A coordenação do Crea Desenvolve em Serra Talhada foi realizada em parceria com a Associação dos Engenheiros de Pesca de Pesca de Pernambuco (AEP-PE) e a Associação dos Engenheiros Ambientais e Engenheiros Ambientais Sanitaristas de Pernambuco (AEAMBS-PE). O evento contou ainda com o apoio da Associação Municipalista de Pernambuco (Amupe), do Instituto Agronômico de Pernambuco (IPA) e da Federação das Indústrias do Estado de Pernambuco (Fiepe).

Estiveram presentes, além dos colaboradores da sede do Crea-PE e inspetores do Conselho em Serra Talhada: o secretário municipal de Desenvolvimento Econômico e Turismo, Antônio Carlos de Godoy; João Marcus Lima, representante da FIS; Maviael Fonsêca, representante do IPA;Rodolfo Alves Neto, presidente da AEAMBS-PE; José Rodolfo Rangel Moreira Cavalcanti, presidente da AEP-PE e Manoel Milton Barros, coordenador de pesquisa do curso de Engenharia Civil da Aesa.