Construção civil terá destaque em 2011

Com o setor industrial a todo vapor, a construção ganhou forte impulso e novos postos de trabalho vão ser abertos em todos os segmentos: em obras residenciais, empresariais, industriais e públicas O ano que vem vai ser ideal para procurar emprego em vários setores da economia. Foi-se o tempo em que somente o comércio e os serviços é que abriam vagas em Pernambuco. Agora a indústria está a todo vapor e a construção civil virou a menina dos olhos da geração de emprego. “A construção civil vai ser o carro chefe da geração de emprego no próximo ano. Vão ter vagas em todos os segmentos: construção residencial e empresarial, obras indústrias e projetos públicos”, garante o presidente da Associação das Empresas do Mercado Imobiliário de Pernambuco (Ademi), Alexandre Mirinda.

Ele diz que as vagas são para todos os cargos, do servente ao engenheiro. Incluindo aí os mais especializados como carpinteiros, gesseiros e vidreiros, entre outros. “Muitas empresas deixaram de lançar empreendimentos este ano e vão concentrar as novidades em 2011, sobretudo depois do Salão Imobiliário de Pernambuco, que acontece em março”, prevê.
No setor industrial, o sócio da Pádua Consultores, Hermenegildo Pádua, aposta em grande geração de vagas para cargos técnicos nas áreas comercial, financeira, de logística e marketing. “Muitas empresas que estavam em construção vão começar a operar e precisam de gente para a produção e gestão”, informa.
A área de recursos humanos também deve crescer muito já que as empresas de grande porte quase sempre contratam consultorias de RH para fazer o recrutamento de profissionais e preencher todos os tipos de vagas. Outra tendência é a contratação de profissionais ligados à gestão de meio ambiente, pois a preocupação com a sustentabilidade está presente em todos os setores.
RENDA
Com o aumento do número de vagas, a briga por profissionais qualificados fica maior. Fato que ajuda na valorização salarial. “A renda do trabalhador do Grande Recife ainda é menor do que em outras regiões metropolitanas, mas vem crescendo constantemente. No último ano, os salários de forma geral melhoraram muito. Vários trabalhadores tiveram ganhos reais acima de 10% nos seus rendimentos”, explica o coordenador da Pesquisa de Emprego e Desemprego do Dieese, Jairo Santiago.
Ele diz que a maior industrialização de Pernambuco implica em uma média salarial maior porque a indústria paga melhor do que o setor de serviços e que o comércio. Outro efeito positivo é o incremento das contratações com carteira assinada. “Em 2011, eu aposto no crescimento da mão de obra de segmentos do setor de serviços como o de informática, educação e saúde”.
 
*Fonte: Jornal do Commercio