Crea na Comunidade e Habite Melhor selecionam 10 estagiários de engenharia civil

Contratação de estudantes faz parte da parceria entre Crea-PE e UPE para levar a engenharia pública para áreas carentes

Concluiu o quarto período do curso de engenharia civil? Sabe trabalhar bem em equipe? Tem espírito crítico? Empatia? Criatividade para solucionar problemas? Tem uma oportunidade de vaga de estágio num projeto que promete marcar a engenharia na área da inclusão social. Uma vaga não, 10. A seleção é uma parceria entre o Crea-PE e Universidade de Pernambuco, através dos projetos Crea na Comunidade e Habite Melhor – Assistência Técnica à Habitação.

Esta é a primeira ação depois da assinatura do termo de cooperação técnica entre Crea e UPE para a promoção do Crea na Comunidade, projeto que leva engenharia pública para áreas carentes. As ações estão inseridas no contexto da Assistência Técnica em Habitação de Interesse Social (Athis) pública e gratuita para famílias de baixa renda no Recife.

O engenheiro civil Stênio Cuentro, vice-presidente do Crea-PE, e responsável pela operacionalização do acordo pelo Conselho, avalia que essa ação conjunta com a UPE é de extrema importância para o profissional que está concluindo o curso de engenharia. “É importante para a sociedade porque vai poder receber assistência técnica pública e gratuita e para o Crea que vai aproximar-se a universidade, do futuro profissional”, observa.

Segundo Cuentro, o futuro profissional vai ser um grande beneficiado desta ação do Crea com a UPE. “Melhora a capacidade de entendimento dos problemas que a engenharia vai enfrentar, cujo foco mais importante é o aspecto social e o profissional vai entender que profissão dele não é simplesmente a prestação de um serviço pura e simplesmente mas a prestação de um serviço social, de um serviço que é de extrema importância e que hoje o Estado de uma forma geral não presta”, pontua o engenheiro.

Para ele, o projeto atende uma parcela social que mais precisa de engenharia. “A população que mais precisa de assistência não tem. Esse é o primeiro passo que está sendo dado com a prova de que a sociedade pode sim responder às suas demandas fora a parte do Estado. A sociedade e o Crea podem sim dar uma grande contribuição. A universidade passa a prestar um serviço mais amplo para a sociedade. É um jogo onde todos ganham”, garante Cuentro, destacando que os recursos do Sistema Confea/Crea existem, basta ter bons projetos para captar esses recursos.

Rafaela Cavalcanti, arquiteta e urbanista, doutora em desenvolvimento urbano e professor adjunta da Escola Politécnica da UPE, é a responsável pela operacionalização do acordo pela UPE. Ela explica que serão avaliadas as cartas de motivação, além do desempenho acadêmico do aluno. Esses dois pontos, entre outras exigências, vão mostrar o grau de comprometimento do candidato com o projeto. “Será a temperatura que vai medir o interesse do aluno”, aponta Rafaela Cavalcanti.

Ela explica que será formada uma comissão para avaliar os inscritos. Não há um prazo fechado para o início do estágio porque vai depender do volume de inscrições. “Queremos começar o mais rápido possível”, garante a professora. Os futuros estagiários vão trabalhar num escritório dentro da Politécnica, das 8h às 14h. Rafaela disse que as vagas serão preenchidas por candidatos que tenham perfil para o projeto. Caso seja necessário, será feita uma nova seleção para preencher todas as 10 vagas.

Entre as exigências para o preenchimento das vagas estão ter conhecimento em AutoCAD, SketchUp, Revit, Microsoft Office, além de não ter reprovado em nenhuma cadeira e ter concluído o quarto período. Os selecionados serão responsáveis pela elaboração de levantamentos técnicos de edifícios e assentamentos habitacionais; elaboração de perspectivas e pranchas técnicas de habitações e áreas urbanas; aplicação de questionário; elaboração de relatórios; registros fotográficos; e participação em cursos e eventos.

Para se inscrever é preciso enviar o histórico escolar atualizado, o curriculum vitae e a carta de motivação até o dia 11 para o e-mail habitemelhor@gmail.com. A remuneração é uma bolsa de R$ 900, mais auxílio alimentação de R$ 100.

Dentro do termo de cooperação, caberá ao Crea-PE o pagamento de bolsas de estágio para os dez estudantes selecionados pela UPE e integrantes do projeto de extensão da universidade Habite Melhor. A iniciativa está dentro do contexto da lei federal nº 11.888/2008, que assegura às famílias que recebem até três salários mínimos assistência técnica pública e gratuita para o projeto e a construção de habitação de interesse social.

O acordo de cooperação prevê ainda a organização de palestras para a sociedade. Entre os temas dos encontros: educação cidadã, o papel da engenharia para diminuição das desigualdades, experiências em habitação popular, inovação e tecnologias construtivas a baixo custo, atuação da engenharia no mercado de baixa renda, direito à cidade e moradia digna.

Os estudantes de engenharia envolvidos no projeto serão capacitados com treinamentos nas áreas de software BIM, gestão no canteiro de obras, gestão de pessoas e materiais alternativos de baixo custo. A parceria para o Projeto Crea Comunidade já foi firmada também com as prefeituras do Cabo de Santo Agostinho e Ipojuca, na Região Metropolitana do Recife.