Ministro Carlos Minc faz palestra sobre mudanças climáticas no 5º Encontro de Lideranças

Recife, 25 de fevereiro de 2010 – O ministro do Meio Ambiente, Carlos Minc, ressaltou a importância dos significativos avanços do Brasil nas questões ambientais e garantiu que o Governo tem o objetivo de promover o desenvolvimento sustentável e a criação de milhões dos chamados empregos verdes. As afirmações foram dadas, na última terça-feira (23), em Brasília, durante o painel sobre “Mudanças Climáticas e COP15 – Desafios e Compromissos do Brasil” do 5º Encontro de Lideranças, realizado pelo Conselho Federal de Engenharia, Arquitetura e Agronomia (Confea).

Para o ministro, o desenvolvimento de políticas voltadas à preservação ambiental, como metas de redução das emissões, esteve comprometido durante muitos anos por interesses econômicos e diplomáticos. “Com o apoio da área técnica, mostramos que era possível ter crescimento de 5% a 6%, reduzindo as emissões, tudo isso com base na tecnologia”, afirmou Minc, acrescentando que esse desenvolvimento ocorreu com alguns critérios bem definidos.

A agricultura seguiu três linhas: o plantio direto, com aproveitamento do material orgânico, a integração da lavoura e pecuária e a recuperação de áreas degradadas. Na indústria, com critérios que garantiam a defesa do uso do “aço verde”, que e aquele produzido a partir do carvão vegetal.

Sobre essa questão, o presidente do Conselho Regional de Engenharia, Arquitetura e Agronomia de Pernambuco (Crea-PE), José Mario Cavalcanti, reconheceu a sua importância e defende a discussão ampla de políticas capazes de conter os efeitos do aquecimento global e das consequentes mudanças climáticas.

No entanto, chama a atenção para os dados que são apresentados por especialistas e órgãos ligados a questão. “Há, inegavelmente, uma mudança das condições climáticas. Exemplo disso são os picos máximos de temperatura que vêem se mantendo em várias regiões do País. Mas, esses são consequências do modelo de desenvolvimento da expansão urbana, que inclui, por exemplo, a verticalização das cidades”, ressaltou o presidente José Mário.

Ainda sobre os progressos alcançados pelo Brasil na questão ambiental, o ministrou falou que, em relação à COP-15, o Brasil, ao contrário dos demais países, destacou-se pela adoção de ações que garantiram a redução do desmatamento da Amazônia da ordem de 18 mil quilômetros quadrados para sete mil quilômetros quadrados, conforme medições do Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (INPE).

Dilma Moura

ASC do CREA-PE