Blitz do Crea faz fiscalização no Córrego do Boleiro, na Zona Norte do Recife

boleiro1 Palco de uma das maiores tragédias de deslizamento de barreira de Pernambuco, o Córrego do Boleiro, em Nova Descoberta, Zona Norte do Recife, recebeu, na manhã desta terça-feira (06), a terceira ação do Blitz do Crea, projeto que irá percorrer diversos espaços públicos para identificar riscos à população e melhorias.  A comitiva de técnicos formada pelo presidente do Conselho Regional de Engenharia e Agronomia de Pernambuco (Crea-PE), Evandro Alencar, e os conselheiros Alexandre Mercanti, Luis Caetano e Waldir Duarte Costa Filho, pelo Inspetor Erastóstenes Viera e pelo gerente de Controle e Processos, Frederico Bastos, ganhou o reforços de dois geólogos do Serviço Geológico do Brasil (CPRM), Frank Santos e Gilmar Dias.

O ponto de partida da fiscalização foi o campo de várzea construído na comunidade após o deslizamento de terra que causou a morte de 12 pessoas no ano de 1996. “O lugar que deveria ser um espaço público e funcionar até como memorial do que aconteceu aqui está completamente abandonado. Arquibancadas cheias de mato, brinquedos infantis enferrujados, quebrados, tela de proteção danificada”, comenta Evandro Alencar.  Além disso, ele chama atenção para as questões de acessibilidade da região. “Essa rampa que dá acesso ao campo está completamente fora das normas”, explica.

boleiro2Mas o foco da ação foi as áreas de riscos de deslizamento de terra. O geólogo Frank Santos explica que o solo argiloso da região contribuí para o aumento do risco. “O tipo de solo facilita a ação da chuva, mas também temos aqui a colocação errada de lonas plásticas. Além de muitas estarem completamente rasgadas, elas estão posicionadas de maneira que a água entra por baixo do material”, explica Santos.  Ainda segundo ele, o Córrego do Boleiro é repleto de pontos de risco, com barreiras protegidas apenas por plásticos e várias casas à beira de abismos.

boleiro4Atrelado aos deslizamentos de terra, a Blitz do Crea também identificou problemas com a fiação. “Notamos aqui o que é perceptível em toda cidade. A falta de manutenção da rede elétrica contribui para diversos riscos para a sociedade. Podemos notar fios sem altura mínima permitida. Qualquer pessoa pode passar por aqui e se enrolar em um fio dessa”, explica Alexandre Mercanti, engenheiro eletricista.

Os técnicos do Crea Pernambuco irão produzir um relatório que deverá ser entregue, nos próximos 15 dias, a Prefeitura do Recife com recomendações de segurança. A próxima ação do Blitz do Crea ainda não tem data marcada, mas deverá ser o Córrego do Jenipapo, também na Zona Norte, e um Mercado Público da Região Metropolitana do Recife (RMR).

Rui Gonçalves
ASC do Crea-PE