Profissionais brasileiros e haitianos reúnem-se em prol do Haiti

Nos últimos dois dias, o Crea-PR foi anfitrião do I Seminário Internacional de Refundação Solidária do Haiti. A cidade de Foz do Iguaçu sediou o encontro promovido pelo Confea para a discussão da criação de uma entidade profissional reguladora das profissões da área tecnológica no país devastado pelo terremoto no ano passado. O Presidente do Crea-PE e coordenador adjunto do projeto de apoio ao Haiti, José Mário Cavalcanti, esteve presente no seminário e contribuiu com a apresentação de parte das propostas do projeto.

 
O engenheiro civil José Mário explanou sobre o início dos trabalhos, quando foi enviada comitiva ao Haiti com o objetivo de promover o contato com os profissionais do Colégio Nacional de Engenheiros e Arquitetos. “Estamos querendo contribuir para o processo de reestruturação do país e precisam ser apreciadas e avaliadas pelos haitianos, pois toda a ajuda deve atender as necessidades e anseios da população”, salientou o presidente do Crea-PE.
 
Segundo o presidente do Confea, Marcos Túlio de Melo, ao desenvolver o projeto Pensar o Brasil, o Conselho tomou como princípio de suas ações o processo de desenvolvimento com solidariedade. Já o coordenador do GT Haiti, Kleber Santos, destacou a importância da reestruturação do Colégio em conjunto com os haitianos. “Não queremos construir para eles, e sim construir com eles, promovendo uma engenharia cidadã”, disse Santos.
 
Na abertura do evento o presidente do Crea-PR, Álvaro Cabrini, falou sobre o momento no qual o País passa no seu desenvolvimento, citando que esse processo reflete na responsabilidade de cooperar com os outros países do continente, exemplificando o acordo entre o Brasil e o Paraguai, no uso da energia gerada pela usina de Itaipu. “A Itaipu Binacional é de grande importância para o desenvolvimento econômico e social do País. Os profissionais vinculados ao Sistema Confea/Crea tem a obrigação de apoiar essa iniciativa, uma vez que, trata-se de obra de engenharia e principalmente, da viabilidade de desenvolvimento dos dois países”, afirmou Cabrini.
           
A delegação haitiana que participou do evento agradeceu o apoio e disse estar preparada para assimilar tudo o que for discutido. Também reafirmou a necessidade da promoção de parceria e convênio para a refundação do país, pois os mesmos possuem a vontade para a realização dos trabalhos, mas a base governamental não é sólida. Outra informação importante fornecida pelos estrangeiros é que hoje são as empresas particulares que definem quais profissionais estão aptos para o trabalho e até quando os mesmo estarão integrados no processo de execução da obra, já que para economizar, os profissionais são dispensados de parte da execução da obra.
 
A presidente da União Panamericana de Associações de Engenheiros (Upadi), Irene Campos, destacou a importância dos engenheiros nas ações desencadeadas no Haiti. “Embora a sociedade só perceba a necessidade do médico, os engenheiros têm papel fundamental neste momento de reconstrução do País”, disse. Irene deu o exemplo da organização dos engenheiros da Costa Rica, que estão atuando junto ao governo na tarefa de reconstrução das habitações na tormenta sofrida recentemente no país. A presidente da Upadi fez também uma apresentação da entidade que comanda.
A legislação do Sistema Confea/Crea foi apresentada aos haitianos em uma explanação realizada pelo profissional do Confea Alceu Molina, que explicou sobre a Lei Federal nº 5.94/66, salientando sobre os graus de instâncias existentes para a resolução de problemas.
 
Vanessa Bahé
ASC Crea-PE
* com informações da delegação do Crea-PE