Um Gol Verde, de placa, e nosso!

Uma copa verde no Brasil é possível sim! Disse Hélio Gurgel, presidente da Agência Estadual do Meio Ambiente e Recursos Hídricos de Pernambuco (CPRH), órgão que está à frente da fiscalização e da monitoração, que concede as licenças ambientais para construção da ecoarena da Copa, em São Lourenço da Mata, Região Metropolitana do Recife.

Segundo Gurgel, o impacto ambiental nos locais onde serão realizadas as construções, não trará praticamente, nenhum dano ao meio ambiente. “É preciso deixar bem claro que o projeto da Arena da Copa vai apresentar pouquíssima ameaça ao ambiente de Mata Atlântica que existe nas imediações do estádio. Tudo será replantado. Não afetará nenhum braço de rio e nem trará danos ao ecossistema da região. O que vai acontecer são pequenas intervenções. Mas, tudo será realizado de acordo com as normas de fiscalização da CPRH”, garantiu.

De acordo com as medidas socioambientais exigidas pela Green Goal (Gol Verde), programa criado pela Federação Internacional de Futebol Associado (FIFA), o uso de energia solar, soluções de ventilação, reaproveitamento da água, iluminação natural e tratamento do esgoto deverão ser atendidas no andamento das obras do estádio em Pernambuco, que contará com tecnologias renováveis e uma grande novidade totalmente pernambucana, as cadeiras 100% verdes, vindas do processo de desidratação do Etanol, produto que tem como matéria prima a cana de açúcar. As cadeiras serão instaladas por todo o interior da Arena. O modelo de projeto sustentável foi aprovado e já dispõe das licenças prévias e de instalação, concedidas pela CPRH permitindo o início das obras.

Henrique Ferreira

ASC do Crea-PE