Crea-PE e Comitê de Tecnologia e Custos da Ademi-PE unem esforços para garantir mais segurança e qualidade nos serviços de Engenharia

IMG_9266O presidente do Conselho Regional de Engenharia e Agronomia de Pernambuco (Crea-PE), Evandro Alencar participou, a convite do engenheiro civil Tiago Muniz, da reunião do Comitê Tecnológico e Custos (CTC), da Associação das Empresas do Mercado Imobiliário de Pernambuco (Ademi), realizada na quarta-feira (03), na sede da associação.

A participação teve o objetivo de esclarecer como o Crea-PE poderá auxiliar os construtores numa questão que os inquieta. “Quando a construtora faz as Anotações de Responsabilidade Técnica (ART) pelos projetos e execução dos empreendimentos, acaba se responsabilizando também pelos serviços complementares como, aplicação de gesso, colocação de esquadrias, impermeabilização e revestimento de fachada, instalações elétricas e hidráulicas, aterramento, entre outros. No entanto, esses serviços, na maioria das vezes, são executados por empresas terceirizadas que não recolhem a ART e, portanto, legalmente, não são responsáveis pelos serviços”, explicou o engenheiro civil Tiago Muniz, questionando o presidente Evandro Alencar quanto à possibilidade de haver uma ação do Crea-PE que, a exemplo dos demais serviços, cobre o registro da ART dessas atividades.

O presidente agradeceu a todos pelo convite e explicou que essa exigência poderá sim, ser feita, no entanto, a ação conjunta entre Crea e construtoras, será mais eficaz, se partir dos próprios construtores. “Entendemos a preocupação de vocês, somos favoráveis, já havíamos antecipado essa preocupação quando convidamos Tiago Muniz para uma conversa lá no Crea e, estamos à disposição para ajudar e agir no que for preciso, no entanto, entendemos que, quando da contratação dos serviços complementares, os próprios construtores poderão exigir dos terceirizados a Anotação de Responsabilidade Técnica (ART)”, explicou o presidente do Crea-PE.

Evandro Alencar defendeu que a questão seja resolvida, explicando que mesmo em se tratando de pequenos serviços, os riscos de grandes prejuízos com danos materiais e físicos são iminentes. “Buscamos nichos de participação. Nesta gestão estamos procurando atuar de forma que possamos mostrar aos profissionais, empresas e, principalmente, à sociedade, que estamos preocupados em fazer o que temos como premissa que é fiscalizar o exercício profissional para que possamos garantir a segurança da sociedade”, concluiu.

No entendimento de todos, deverá haver uma maior discussão sobre o assunto e, em uma nova data a ser agendada, o presidente voltará para que os detalhes da ação sejam tratados de forma mais aprofundada.

Mais uma vez, Evandro agradeceu o convite e colocou o Crea-PE à disposição de todos.

Dilma Moura

ASC do Crea-PE