Presidentes do Crea-PE e do Clube de Engenharia homenageiam o senador Cristovam Buarque

Recife, 11 de dezembro de 2009 – Em visita ao Recife, onde participou do lançamento do livro Futuros Possíveis, do Projeto Pró-criança, o senador pernambucano Cristovam Buarque, autor do prefácio da publicação, foi também homenageado pelos presidentes do Conselho Regional de Engenharia, Arquitetura e Agronomia de Pernambuco (Crea-PE), José Mário Araújo Cavalcanti, do Clube de Engenharia de Pernambuco (CEP), Alexandre Santos, com a comenda da Ordem do Mérito Manoel Antônio de Moraes Rego.

O presidente Alexandre Santos agradeceu ao diretor do Movimento Pró-criança, professor Sebastião Barreto Campelo, a oportunidade de prestar a homenagem na solenidade promovida pela ONG, ressaltando a satisfação de homenagear o senador. A entrega da medalha ao senador foi feita pelo presidente do Crea-PE, José Mário Cavalcanti, e o diploma foi entregue pelo vice-presidente do Conselho, Maurício Pina Moreira.

Nas palavras de agradecimento pela homenagem recebida, Cristovam Buarque ressaltou a importância da sua formação profissional. “Os tempos mais importantes da minha formação foram vividos na Escola de Engenharia de Pernambuco. Considero esse período como o mais marcante da minha trajetória”.

O senador também disse se sentir honrado por ser homenageado por engenheiros, que são os construtores do mundo sem esquecer, no entanto, o papel fundamental dos professores, que são construtores de engenheiros.

PRÓ-CRIANÇA – Quanto ao projeto social, o senador disse ter orgulho que seja feito por alguém na sua cidade natal. O Pró-Criança existe há 17 anos e durante esse tempo conseguiu resgatar das ruas mais de 1700 meninos e meninas. Ele ressaltou a dignidade demonstrada nas expressões e nos gestos das crianças e dos adolescentes que, na ocasião tocaram, cantaram e dançaram em sua homenagem. São integrantes da Companhia Andarilho do Espaço Maria Helena Marinha, que tem formação em dança, música, poesia e canto.

Na opinião do senador, iniciativas como essas são importantes, mas não precisarão ser feitas, se for trabalhado um projeto de nação para a ascensão social. “É preciso que se veja a escola como a escada para o futuro possível. Possível não só no Estado mais em todo o País, que vive uma tragédia onde as pessoas estão sendo dragadas”, lamentou o senador.