Abertura do CEP reúne staff de profissionais do Sistema Confea/Crea no Recife

Cerimônia a parte, comoção generalizada. A solenidade de abertura do 7º Congresso Estadual de Profissionais (CEP), realizado pelo Conselho Regional de Engenharia, Arquitetura e Agronomia de Pernambuco (Crea-PE) na última sexta-feira (14), no Recife Praia Hotel, contou com o descontraído discurso do ministro do Tribunal de Contas da União, José Múcio Monteiro, que elogiou a atuação do engenheiro agrônomo Eudes de Souza Leão Pinto Filho, da Academia Pernambucana de Ciência Agronômica. José Múcio deixou claro que a categoria tem força e pode propor novos rumos para as profissões e para o País.

Após agradecer ao presidente do Crea-PE, José Mário Cavalcanti, o convite para participar de um importante evento como o CEP e dizer que em 35 anos de formado chegou a testemunhar a quase falência dos escritórios de engenharia, o ministro falou do atual crescimento do Brasil e, principalmente, do Nordeste. O destaque foi para o pronunciamento sobre a conversa informal com o presidente Luís Inácio Lula da Silva, no qual tornou público o envio de uma carta por Eudes Souza Leão ao presidente da República.

No documento, o engenheiro agrônomo contestava sobre as mudanças sugeridas para a Companhia Hidro Elétrica do São Francisco (Chesf) com o argumento imbatível de um pernambucano que vivenciou a construção de uma empresa que deu lição ao mundo e foi uma das maiores responsáveis pelo desenvolvimento do Estado. “Lula disse que eu conhecia o autor daquela carta, um conterrâneo nosso e engenheiro. Após ler para mim, impressionado, falou: vou assinar agora para que a Chesf continue como está com sua autonomia”, contou o ministro.

Na abertura, o presidente do Crea-PE e anfitrião do evento, José Mário Cavalcanti, discursou sobre a importância de debater as profissões das áreas tecnológicas numa época de crescimento e de investimentos no País e, em particular, em Pernambuco. Citou diversas grandes obras e avanços que estão ocorrendo no Estado como a retomada da indústria naval, a duplicação da BR, o pólo gesseiro, entre outros. “As profissões vinculadas ao Sistema estão em alta. Precisamos buscar os caminhos e formas para que possamos oferecer uma prestação de serviço com qualidade e ética”, complementou.

Na mesa também estava presente o engenheiro agrônomo e representante do Conselho Federal de Engenharia, Arquitetura e Agronomia (Confea), Kléber de Souza Santos, além de presidentes dos Creas de Maceió e da Paraíba, e de entidades de classe. Ainda na solenidade de abertura, o coordenador de Universalização da Energia Elétrica da Eletronorte e ex-presidente do Confea, Henrique Luduvice, proferiu a palestra O Contexto Atual da Engenharia, Arquitetura e Agronomia e as Perspectivas para o Futuro. O engenheiro falou sobre a universalização da energia da Eletrobrás, o desenvolvimento nacional, o atual cenário econômico brasileiro, a descentralização dos recursos e o papel da categoria do Sistema. O palestrante ainda mostrou dados e metas do Programa Luz para Todos.

 

Vanessa Bahé

ASC do Crea-PE