Começa o 7º Congresso Nacional de Profissionais em Cuibá

De hoje (26) até sábado, no mesmo cenário onde foi realizada a 67ª Soeaa, acontece o 7º Congresso Nacional de Profissionais (CNP), realizado a cada três anos pelo Sistema Confea/Crea/Mútua. Para a edição de 2010 são grandes as expectativas.

O conselheiro federal Kléber dos Santos, coordenador da Comissão de Articulação Institucional do Sistema (CAIS), a qual o CNP está vinculado, diz que “o interesse pelo CNP pode ser medido pelo fato de que além dos 487 delegados com direito a voto, teremos mais 300 pessoas entre profissionais e estudantes que querem participar apenas com direito a voz”. Para ele, o processo que resultou no 7º CNP “permite o sentimento de renovação trazido pelos jovens reunidos nas 18 delegações de Creas Juniores. As propostas serão submetidas a rodízio e passarão pelos seis grupos em que os delegados estão divididos.

O processo iniciou-se em março com encontros microrregionais e reuniu mais de 500 propostas vindas de todos os cantos do País que foram sistematizadas em 55 – ligadas aos eixos temáticos do CNP – e 22 consideradas especiais, mas que não se encaixaram nos eixos.

O coordenador do CDEN, René Bayma, coordenará o Grupo 1. “Apesar do pouco tempo destinado à discussão de cada proposta, a expectativa em relação ao resultado final do congresso, é positiva”, disse.

O Conselheiro Valmor Pietsch, coordenador do Grupo 2, no encontro que reuniu os seis coordenadores, explicou a metodologia a ser empregada “para dar dinamismo ao trabalho” e lembra que, para cada proposta ser aprovada, é necessário que 1/5 dos delegados estejam presentes. “A importância do CNP está no fato de podermos decidir sobre os caminhos a serem seguidos pelo sistema profissional”.

O Grupo 3 ficará a cargo de Telamon Firmino Neto, para quem “transparência” é a palavra que melhor define todo o processo de realização do CNP e “deverá ser sua marca final”.

Paulo Constantino estará à frente do Grupo 4. Ele acredita que “as novidades introduzidas permitiram que centenas de profissionais opinassem sobre as causas que o sistema deve abraçar”, por isso acha que “as propostas selecionadas traduzem o que os profissionais pensam”.

A coordenação do Grupo 5 tem Cláudio Calheiros à frente. Sua expectativa é “aprovar o máximo possível de propostas dos Congressos Estaduais e fazer com que elas sejam implementadas pelo plenário do Confea”.

O Grupo 6 tem Ester Ramirez na coordenação. Para ela, “é importante não perder tempo já que são muitas as propostas a serem analisadas. Temos que ser produtivos”.

 

Maria Helena de Carvalho

Assessoria de Comunicação do Confea