Capa > Geral > Presidentes dos Creas do Nordeste discutem FPI do São Francisco

Presidentes dos Creas do Nordeste discutem FPI do São Francisco

CreaBAA Fiscalização Preventiva Integrada da Bacia do Rio São Francisco ao longo de 12 anos realizou 35 operações e visitou 115 municípios baianos. O objetivo agora é estender o alcance para os estados de Alagoas, Sergipe e Pernambuco, também banhados pelo Velho Chico. O trabalho, realizado pelo Ministério Público da Bahia, em parceria com o Conselho Regional de Engenharia da Bahia (Crea-BA) foi apresentado durante a abertura da III Reunião Ordinária dos Presidentes do Crea do Nordeste, que acontece até esta sexta-feira  (11), no Hotel Pestana.

Os resultados da reunião serão levados para a IV  Reunião do Colégio de Presidentes do Sistema Confea/Crea e Mútua, a ser realizada em Rio Branco (Acre), no período de 16 a 18 de julho. A apresentação sobre a FPI da Bacia do São Francisco foi realizada pela promotora do MP Luciana Khoury, o superintendente do Ibama na Bahia, Célio Costa Pinto e pelo assessor do Crea-BA, José Augusto Queirós. A FPI atua de forma multidisciplinar e conta com a participação direta de órgãos como o Inema, Funasa, Polícia Militar, Polícia Federal, Ministério do Meio Ambiente, entre outros.

Segundo Luciana Khoury, a FPI é um programa continuado que realiza três operações anuais, com uma equipe de 120 pessoas atuando na defesa da sociedade, meio ambiente e saúde da Bacia do Rio São Francisco. “O objetivo é proteger os recursos da bacia e a qualidade de vida da população. São operações que duram até 15 dias de trabalho em campo, sendo preparadas com antecedência de 3 meses”.

A principal ação das FPI’s, de acordo com a promotora, é a cobrança de responsabilidade técnica nos empreendimentos que funcionam ao longo da bacia. “Contamos com o apoio do Crea BA para fiscalizar o trabalho profissional visando evitar danos e melhorar a gestão dos recursos. É importante tanto para as empresas, quanto para as prefeituras que participam de reuniões para discutir o resultado das ações”.

A FPI conta com equipes de gestão ambiental, mineração, rural, trânsito (transporte de animais silvestres, barreira sanitária), agrotóxico, piscicultura e patrimônio espeleológico e cultural. Segundo José Augusto Queirós, as ações são precedidas por sobrevoos das áreas a serem fiscalizadas para definir os locais de visitação.

Caneta digital
Uma novidade já utilizada por fiscais do Crea em Rondônia foi apresentada ao participantes. A tecnologia utiliza canetas digitas e o sistema Makem Open para agilizar a coleta de dados e o preenchimento de notificações. O assessor do Crea-RO, Neemias Machado Barbosa, explicou que o equipamento, de uso simples, armazena os dados em um sistema USB, enviando as informações por bluetooth.

“O sistema permite agilidade principalmente durante ações em campo, evitando que o fiscal necessite preencher os dados manualmente e ainda redigitá-los depois. A caneta reconhece letras em um ‘papel inteligente’ e pode ser adaptada para a necessidade de cada órgão fiscalizador”.

Lei de Licitação
O engenheiro e escritor Alberto Barros de Lima, do Clube de Engenharia de Pernambuco, apresentou um painel sobre a Lei de Licitação e o Regime de Contratação Diferenciado, tema que vem gerando grandes debates entre as diversas áreas da engenharia, principalmente a Civil. Segundo ele, as controvérsias surgiram a partir da adoção da Lei 8666, em 2011, com o objetivo de dar maior agilidade às obras da Copa do Mundo.

“O problema é que essa lei acabou tornando-se permanente com outros objetivos, como obras do Plano de Aceleração do Crescimento. Além do âmbito Federal, a lei está sendo estudada para aplicação nos Estados e Municípios”. Lima explica que a legislação funciona como um “pregão”, abrindo-se mão dos projetos de engenharia mais complexos.

“O problema é que o preço é definido no Pregão, pelo menor valor, e as empresas executantes vão ter que realizar as obras dentro de um orçamento muitas vezes não devidamente planejado. Acontece é que muitas obras acabam abrindo mão da qualidade”. O assunto continua em discussão e será levado na próxima semana ao Colégio de Presidentes do Confea- Crea, no Acre.

Do Crea-BA

Free WordPress Themes - Download High-quality Templates